Rede Feminina de Combate ao Câncer - João Pessoa - Paraíba

Pediatria

Clique na foto para abrir a galeria ampliada

A esperança no novo dia...

As atividades que são desenvolvidas na pediatria atendem não só as crianças, mas também aos pais e responsáveis que precisam também de momentos de descontração para não sucumbirem aos desafios que enfrentam com a enfermidade dos filhos. Neste setor do Hospital, vários voluntários se revezam de segunda a domingo proporcionando atividades regadas a muita alegria e grandes sorrisos.

“Esse trabalho faz parte do meu dia a dia. É muito bom ver o sorriso de uma criança por um carinho que você faz. Para ser voluntário não precisa de muita coisa, só de amor e paciência para ouvir. O tratamento com a medicação é muito importante, mas o amor e o carinho é o complemento. Eu me sinto muito bem e agradeço a Deus todos os dias. Peço que ele me dê saúde para continuar esse trabalho que é maravilhoso”. (Lucélia Régis).

Contadora de Estórias...

A contadora de estórias e pedagoga, Lucélia Régis, 44 anos, há dois anos no voluntariado dentro do hospital, revela que realizou um grande sonho quando teve a oportunidade de ser convidada para realizar essa atividade no Laureano. Tudo começou quando Lucélia apresentou o projeto de Contos de Estórias idealizado por ela e aprovado pela Rede Feminina. Ela relata o quão mágico é exercer essa atividade, além de todo encantamento que há no momento em que cada criança esquece o sofrimento, a dor e mergulha nas estórias contadas.

Origami...

Euclides Alves de Sá, 42 anos, funcionário público é voluntário há quatro anos no Hospital Laureano. Seu desejo era trabalhar com crianças e quando teve a oportunidade, ingressou na pediatria realizando trabalhos manuais com a confecção de origamis. “Recebemos tantas coisas boas da vida que acredito que devemos retribuir de alguma forma com um ato de gratidão. A forma que encontrei de agradecer foi fazendo algo em prol do outro”. (Euclides Alves).

Palhaços e música....

Para realizar um tratamento baseado no amor e na alegria, alguns voluntários executam atividades que servem como tratamento, animando cada criança que recebe carinho e afeto. Os voluntários são sensibilizados pelas histórias de cada criança, por isso se inspiram nos instrumentos da alegria, se vestindo de palhaço, tocando violão e cantando para animar e divertir as crianças, proporcionando momentos de lazer e muita descontração para todos que estão envolvidos naquele trabalho.